Páginas

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Para ficar de boca aberta!!



Por que sempre pensamos que nunca vai acontecer com a gente? Eu costumo dizer que o mosquito da Dengue está por aí e ninguém está livre dele. Mas sinceramente, nunca espera-se que ele vá picar justamente você. Acidentes, assaltos, mordidas de cachorros ou o deslocamento da sua mandíbula. Sabemos que não estamos livres, mas nos livramos de pensar nessas coisas. Hoje meu dia foi assustador e aconteceu comigo justamente algo que nunca imaginei que aconteceria um dia. Preciso relatar esse fato aqui e por favor, riam da situação, pois mesmo sendo séria é cômica. Como disse o meu ilustre Chaplin: No fim, tudo é uma piada. Fui ao dentista. Lugarzinho desagradável de se estar. A sala tem cheiro de medo, dor e nervosismo. Tinha um bom tempo que não visitava essa raça de médicos, mas sabe como é... foi preciso! Tudo estava muito bem até eu ver aquela agulhinha sinistra na mão da dentista. Certo! Não tinha mais jeito. Encarei como uma boa menina... que sou! De repente começa: Zummmmm... Liga-se o mais cruel de todos e começa a operação hiper agonizante. Olha, sei que pareço uma exagerada, mas também só eu sei o que passei ali. Não tenha tanto medo assim. É suportável. Ela mandou que eu abrisse bem a boca senão teria que me furar várias vezes. O quê? Louca! Abri a boca como nunca antes.

- Cospe! - Disse a gentil doutora.

Assim eu fiz. Foi quando eu percebi e senti o que acabara de acontecer. Minha mandíbula tinha travado. Nossa! A sensação foi de sei lá o que. Vejam o diálogo:

- Oôra, inha ôca ão ér echar! - Disse eu com a boca hiper aberta.

- O quê? Não quer fechar? Como assim?

- Ai, ão ô onseguindo! -Eu já estava em pânico. Passavam as piores idéias pela minha cabeça. Que a parte inferior ia soltar, que eu ficaria com a cara torta, enfim, coisas que só o desespero te faz pensar.

- Calma, respira fundo. - Disse ela, ou melhor, dizia toda hora.

Ela começou a massagear perto dos meus ouvidos e viu que a situação era séria. Começou a me explicar o que havia acontecido. Eu, mesmo com a boca naquela situação não poupei perguntas do tipo: Vai doer? Tem jeito? Blá, blá, blá? Como eu disse, quando eu iria imaginar um fato desse acontecendo comigo? Nunca se espera. Então ela chamou dois dentistas e um mais experiente cuidou de tudo. Me pediu que sentasse no chão encostada na parede bem ereta. A partir dali vi estrelas. Nossa. como doía. Chorei lardagada!! Ele teve que forçar por dentro da boca para que a mandíbula voltasse ao lugar. Acho que o que me fez sentir menos foi o fato de eu estar anestesiada. Nem deu para terminar o tratamento. Estou com um curativo no dente... acredita?? O dentista perguntou se eu mastigava só por um lado. Me explicou que essa poderia ser uma das causas que me levou a isso. Teve toda teoria por trás e tem, pois depois que cheguei em casa pesquisei tudo à respeito e vi que eu apresentava vários sintomas do problema, mas como sempre, irrelevantes. Sei que sinto uma dor desagradável, não posso mastigar nem forçar por mais ou menos uma semana e roer unhas nem pensar. Essa mania feinha que eu tenho (tinha a partir de hoje) pode ter ajudado no desgaste do disco articular. Fiquei um pouco traumatizada sabe? Acho que não vou bocejar tranquila por um bom tempo e nem mastigar pelo lado direito da boca. Deixa ele tirar férias, ou se aposentar se quiser (risos). Bem gente, por hoje é só. Só? Pelo amor de Deus... por hoje basta!!

3 comentários:

Filipe de Paula Silva disse...

ainda estou morrendo de rir...

vc é uma piada...

te adoro sabia?

beijus e melhoras...

Marli disse...

Oi Aline!

Que coisa, hem! Fiquei arrepiada. Parabéns pelo blog. Adorei tudo . Lindas as poesias. Você é realmente uma pessoa sensível, com um olhar profundo sobre a vida. Abraço!

Eiza Maria disse...

Muito divertido, apesar de sério.
Estou com o mesmo problema. Não posso morder uma maçã, se não trava tudo.
Dei boas risadas.
É voce tirando coisas boas,das coisas ruins que lhe acontecem.